Livro: A Sombra da Serpente | Resenha



Resenha: A Sombra da Serpente
Autor: Rick Riordan
Ano: 01 de maio de 2012
Editora: Intrínseca
Tradução de: Débora Isidoro
Gênero: Aventura, Fantasia, Literatura Infanto-Juvenil 



Sinopse:
Sadie e Carter são importantes descendentes da Casa da Vida, uma sociedade secreta de magia estabelecida no Egito ainda no tempo dos faraós. Os irmãos sabem que sua herança ancestral lhes reserva um importante papel - seus poderes são fundamentais para a restauração do Maat, a ordem do universo. Mas, uma vez instalado, o Caos é imprevisível, incalculável e incontrolável, e agora que Apófis está livre os Kane têm somente três dias para evitar que a serpente destrua o planeta. Como se isso não bastasse, a sorte deles parece só piorar. Os magos estão divididos. Alguns deuses egípcios estão enfraquecendo e, um a um, começam a desaparecer. Walt, um dos mais talentosos combatentes da Casa do Brooklyn, foi amaldiçoado, e sua energia vital está se esvaindo. Zia agora é responsável por Rá, o deus Sol, que está completamente senil e não será de grande ajuda. Sadie e Carter, ao lado de alguns jovens magos e uns poucos aprendizes, são os únicos dispostos a enfrentar a serpente e salvar o mundo.


Resenha:

Fala meus leitores e leitoras, enfim pude concluir as Crônicas de Kane, lendo seu último livro intitulado A Sombra da Serpente e posso antecipar que a princípio a história não levantava fortes expectativas, porém devo admitir que teve desfechos um pouco diferentes do que eu esperava e acabei de certa forma gostando.

Mas sem mais delongas vamos resenhar e falar um pouco sobre essa trilogia que vai de alguma maneira ficar registrada na mente e para quem sabe em um futuro ser passada adiante para um jovem leitor.

Pode ler sem medo, evitei ao máximo falar sobre partes relevantes do livro, foi um resumo das minhas impressões sobre o livro e não da história, então sem spoilers.

A Sombra da Serpente nos traz a continuação dos acontecimentos do Trono de Fogo, com Apófis livre de sua prisão, coisas sinistras começam a acontecer por diversas regiões do globo, tanto o mundo humano quanto o dos Deuses tem sido afetado por toda a energia do caos que a serpente vermelha dissemina.

A forma de escrita de Riordan continua simples, então não temos muito problemas para compreender a sua história e o que esta tentando passar para o leitor, o que sempre gostei muito, essa simplicidade que não faz você perder nada.

Os irmãos Kane mais uma vez têm em suas mãos uma responsabilidade meio pesada para adolescentes de 13 e 15 anos (Sadie, 13 e Carter, 15) que é defender o mundo de um ser mitológico de proporções maléficas gigantescas e convenhamos que essa pressão não faz bem a nenhuma pessoa, muito menos a adolescentes que já tem os seus problemas de idade que são bem ressaltadas na narrativa.

O Livro conseguiu amadurecer em comparação com o primeiro que na minha opinião se saiu o pior dos três, mesmo ainda tendo a ideia que ele era muito introdutório, o livro deixou muito a desejar, agradeço que os volumes seguintes evoluíram e conseguiram dar um andamento legal para a história.

Posso dizer que o romance está no ar em algumas boas partes do livro, onde entra aquelas dúvidas adolescentes que todos nós em algum momento da nossa existência já possuímos ou ainda iremos possuir, então é divertido acompanhar o crescimento dos personagens, um dos motivos de eu amar sagas e trilogias, ver o personagem crescer e isso não foi diferente com as Crônicas de Kane.

O que posso falar sobre o vilão? Apófis, o lorde do caos, a serpente, meus amigos, é de fato um inimigo bem desafiador, afinal estamos falando de uma parte do equilíbrio universal, ordem e caos, o próprio caos personificado em uma forma assustadora e que de todas as maneiras tenta convencer nossos heróis que devem abrir mão de sua missão e juntar-se a ele, os diálogos de Apófis com nossos heróis, principalmente Carter com sua insegurança, nos mostram quão difícil foi resistir a tudo, porém ele se mantém firme.

Posso dizer que minha simpatia por Carter não mudou muito, mas deu uma melhorada, consegui de alguma forma gostar da forma como ele contava suas partes da história, lembrando que o livro continua dividido em duas narrativas, as de Sadie em alguns capítulos e Carter em outros.

Mas prosseguindo, acredito que o motivo de não gostar de Carter, se vai muito pelo fato de ser um personagem inseguro e negativo, que acaba tendo receio de tudo que faz e em parte isso se relaciona a um eu meu do passado, onde era só insegurança e como não gosto de lembrar desse passado, acabei criando uma antipatia pelo personagem.

Mas suas narrativas melhoraram muito nesse final de trilogia, seu crescimento é notável e sua forma de pensar como líder é bem destacada, embora ainda demonstre certa insegurança, sua força de vontade de querer fazer algo certo acaba superando seus medos e o tornando de fato um herói na história.

Agora falando de Sadie, minha personagem favorita, ela se mostra mais frágil e cheia de sentimentos confusos, ela acaba descobrindo os dramas da adolescência, garotos, o que torna tudo muito divertido pois sendo uma personagem muito independente e isso fica claro desde o primeiro livro, acaba sendo conflitante com a personalidade dela.

As narrativas de Sadie são muito divertidas e bem desenvolvidas, acabaram me cativando muito e soltei boas risadas com a forma como ela pensava e agia dentro da história, embora ainda tenha momentos que uma garota de 13 anos deveria ter, ela se mostra muito madura, mulher sendo mulher.

Os personagens secundários, também sua importância na história, o Sacerdote Leitor Chefe Amós Kane, tio dos irmãos, se mostra um mago de fibra.

Zia Rashid, nossa maga elementista do fogo, acaba mostrando também seu lado feminino e se tornando mais frágil, não falei muito dela nas outras resenhas, mas ela é uma garota forte e de personalidade muito marcante, analisando agora, todas as personagens femininas dessa trilogia são de alguma maneira reconhecidas por suas personalidades.

Nossos aprendizes também cresceram nessa história, se mostrando persistentes e muito capazes de enfrentar o caos.

Temos o retorno de um personagem querido que não quero falar muito para não dar spoilers, afinal não sei se você já leu essa história.

O Livro todo é cheio de cenas de ação, onde envolvem nossos personagens em situações de perigo, os deuses continuam sendo divindades arrogantes e com propósitos egoístas, embora sabemos que o intuito é ajudar, suas vontades naturais continuam bem acentuadas e gera um pouco de raiva.

O desfecho se dá com nossos heróis conseguindo descobrir uma forma de acabar com Apófis e boa parte do livro é em busca dessa solução.

A reta final do livro é algo que me deixou agitado, muita coisa aconteceu, coisas que eu não esperava, toda a narrativa envolvendo o mar do caos foi fenomenal, me fez arrepiar e soltar algumas lágrimas, não devo negar.

Mas o final, achei que faltou um pouco de drama, algo que fizesse nosso coração apertar, sei que é loucura pensar isso ou pedir, mas esperamos essas coisas em um desfecho de história, principalmente para quem está acostumado a ler fantasia.

Mas ainda assim, foi um final aceitável, não faltou muita coisa a ser explicada, digamos que muitos pontos se ligaram e teve um bom fechamento de história.

Todo o cenário onde a história se passou foi bem utilizado, bem descrito e como já havia falado nas resenhas anteriores, me senti dentro da história e isso ganha muitos pontos comigo, quando um autor consegue fazer isso ele está indo pelo caminho certo, pois nem todos tem essa capacidade de te transportar para dentro da história.

No demais não posso falar muito e se desejar saber, terá que dar uma conferida na obra, digo que vale a pena, pelo menos para conhecer um pouco sobre mitologia egípcia e fugir do habitual deuses gregos e cavaleiros que lemos em histórias de gênero fantasia.

Agora posso dizer que conheci o Egito Antigo, fiz parte dos aprendizes de Carter e Sadie Kane e combati o Caos com todas as forças que me eram possíveis, afinal, sou um mago da casa do Brooklin e se você assim como eu, sente que seu lugar não é onde está, que algo mágico acontece com você, que sente seu sangue dos faraós falar mais alto, venha conhecer o 25º Nomo no Brooklin, estaremos esperando.

Espero que tenham gostado e até a próxima.


NOTA: (4,0)  



Nenhum comentário: